Crise de talentos impacta o mundo digital

Mais de 15 milhões de trabalhadores deixaram os seus empregos nos Estados Unidos, entre os meses de Abril e Outubro do ano passado. A
talent

Mais de 15 milhões de trabalhadores deixaram os seus empregos nos Estados Unidos, entre os meses de Abril e Outubro do ano passado.

A situação é dada como a fuga de talentos, que vem intrigando gestores ao redor do mundo todo, a pesquisa “Grande Evasão” desenvolvida pela Mckinsey, em cinco países (Austrália, Canadá, Singapura, Reino Unido e Estados Unidos), 40% dos profissionais contemplados pela pesquisa afirmam ter grandes probabilidades de deixarem os seus empregos nos próximos 3 a 6 meses e esta intenção de abandono do trabalho actual varia  entre  provável e quase certa.

Para vários países de África, incluindo Moçambique, adoptar hábitos como a  substituição do método tradicional para o digital, ainda é um grande desafio, visto que grande maioria das empresas não dispõe de meios tecnológicos para o efeito, sendo esse um dos principais factores que tem levado a extinção de várias empresas é a fuga de talentos.    

Cerca de 53% das empresas ouvidas afirmam estar a enfrentar uma rotatividade voluntária dos funcionários maior do que nos anos anteriores, o que pode vir ainda a agravar. Perante esse cenário de crise de talentos na era digital, o dilema sobre a fuga de talentos tornou-se central no Mobile Word Congress. Para Tomek Stoma, director de pessoas e tecnologia na Glovo, startup espanhola de e-commerce, confirma que há uma grande batalha por profissionais: “Sempre vai haver empresas com mais benefícios, um ambiente melhor. Mas nós somos muito claros sobre a nossa cultura e os nossos valores” afirmou o administrador.

É neste contexto que o investimento das empresas em estabelecer uma cultura forte é tida como uma vantagem estratégica na aquisição de talentos. Marc Sanz, head da Google Education, diz que a vantagem competitiva da Google não é tecnologia, mas sim os recursos humanosjá que a big tech trabalha com uma avaliação constante de como os seus funcionários são avaliados e estimulados.

A valorização da cultura traz consigo vários desafios como por exemplo mensurar se alguém tem o mindset necessário ou não. Pensando nisso, a empresa trabalha num esquema de feedback diários com o objectivo que todos os colaboradores se sintam livres para dialogar sobre o seu desempenho, e nessa lógica também são contemplados alguns benefícios como a transparência e flexibilidade. Segundo a pesquisa, existe um universo de empresas pouco flexíveis que estipulam a volta compulsória dos profissionais ao ambiente de trabalho e a de empresas altamente liberais que aderiram completamente ao digital, sem espaços para o encontro presencial.

O administrador de pessoas da startup espanhola diz que existem profissionais que se adaptam melhor a cada um dos formatos e que a verdadeira vantagem desse modelo será entender como eles podem interagir, além de garantir a existência de espaços de colaboração e inovação, seja no físico ou digital.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Publicidade

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Log In

Forgot password?

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

To use social login you have to agree with the storage and handling of your data by this website. %privacy_policy%

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.

pt_PTPortuguese
Close