A newsletter é um mito urbano?

Eu adoro newsletters. Desde aquelas que são sobre tecnologia, comunicação ou sobre descontos. Abro todas as que me são enviadas dos grandes grupos de
opiniao

Eu adoro newsletters. Desde aquelas que são sobre tecnologia, comunicação ou sobre descontos. Abro todas as que me são enviadas dos grandes grupos de media e de moda mesmo sendo que dificilmente irei concretizar uma compra em ambos os casos.

Eu adoro newsletters. Não só das digitais, que são, regra geral, escolhidas pelo utilizador/consumidor, mas daquelas de papel do hipermercados e das oficinas de carros. Gosto particularmente que estejam num local onde por aborrecimento ou não eu vá pegar nelas. Da mesma forma que gosta que sempre enviadas em alturas oportunas e que motivem o meu clique (isto digitalmente falando).

Agora, porque é que as pessoas acham que as newsletters morreram?

Não sei como é que se faziam newsletters nos tempos passados mas a verdade é que enquanto técnica de comunicação encontro nas newsletters uma ferramenta de transmissão de mensagens com bastante potencial. E com um espaço largo para a concretização da compra (afinal, não é o que todos queremos?)

As newsletters querem-se mais precisas, de fácil utilização e no caso de serem digitais com o mínimo de cliques possíveis. Se eu tenho uma epifania ao olhar para uma mala que chega à minha caixa de entrada, eu vou querer concretizar aquela compra o mais rápido possível.

É preferível ter uma periodicidade mais pequena do que uma coisa que só acontece com um espaço de tempo muito alargado e, ou não vou ter paciência para a folhear toda, ou o meu scroll não vai chegar lá em baixo. Se quero que o folheto me leve à compra, que esteja também no sítio onde eu compro para evitar hesitações.

Agora, eu sou um consumidor e como tal eu sei o que quero. Ou não. A boa da newsletter pode funcionar como uma reminiscência do seu produto. Não se limite é a dar só aquilo que tem para vender.

Inclua curiosidades, conteúdos, receitas, dicas. Afinal, o conhecimento também cativa e quem dá o que tem a mais não é obrigado.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Publicidade

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Log In

Forgot password?

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

To use social login you have to agree with the storage and handling of your data by this website. %privacy_policy%

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.

pt_PTPortuguese
Close