A mania de guardar as boas notícias

Não digas a ninguém que tens uma entrevista. Não digas a ninguém que foste seleccionado. Não ouses escapar que foste promovido. Não contes. Não

Não digas a ninguém que tens uma entrevista.

Não digas a ninguém que foste seleccionado.

Não ouses escapar que foste promovido.

Não contes. Não partilhes. Não fiques entusiasmado. Não, não e não. Quantas vezes é que já ouviram um comentário semelhante a este? Superstições à parte, a verdade é que é recorrente (e não somente pela nossa mãe) que alguém próxima nos entregue toda a sua assertividade com um: não digas nada a ninguém até as coisas acontecerem.

É provavel que secretismo faça parte do negócio: alguém pode roubar-lhe a ideia – mas se ela for realmente boa, só quem a teve é que irá poder desenvolvê-la de A a Z; alguém pode desejar-lhe mal – e será que a pessoa dar-se-à ao trabalho de fazer algo para o prejudicar? Alguém pode simplesmente contar a toda a gente os seus planos – terá que acelerar o seu plano de negócios ou saltar alguns testes no aplicativo que está a implementar.

Na realidade, tudo pode acontecer. Já pensou que partilhar a sua ideia pode trazer-lhe insights sobre os quais ainda não tinha pensado e acabou por ficar com a ideia melhorada? Ao partilhar o seu plano, um/a amiga contabilista pode tê-lo alertado para custos que não estava a equacionar, resultando com que a revisão do orçamento a levasse a ganhar mais dinheiro?

Ou melhor, partilhar o seu sonho de trabalho pode ajudá-la a arranjar um/a investidor/a, um/a sócio ou simplesmente alguém que o ajude a melhorar. É importante valer-se de opiniões e de inputs que o farão questionar o que está a implementar. É uma entrevista? A actual colega de trabalho pode ter tido a mesma experiência e poderá dar-lhe uma dica preciosa.

Havia uma vizinha da minha avó que dizia: quem não confia, não é de confiar. A partilha de ideias ou novidades são acções que acabam por ser muito emocionais: o que me leva a partilhar isto com alguém? Vaidade? Insegurança? Ansiedade?

É tentar compreender o que nos leva a partilhar, ou não, uma novidade e perceber se queremos ser melhor, ou parecer o melhor. Na dúvida, pergunte sempre o que faria um dos seus pais. A nossa educação é sempre um bom barómetro; para o bom, e para o mal.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Publicidade

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Log In

Forgot password?

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

To use social login you have to agree with the storage and handling of your data by this website. %privacy_policy%

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.

pt_PTPortuguese
Close